diHITT - Notícias Arolde de Oliveira: Março 2007

quinta-feira, 29 de março de 2007

AROLDE: REFUNDAÇÃO DO DEMOCRATAS, UMA DECISÃO CORAJOSA

Arolde assina a ATA de filiação dos Democratas


Ao voltar de Brasília onde foi participar da refundação do PFL _ agora DEMOCRATAS (DEM)_ , o Deputado Federal Arolde de Oliveira afirmou que a decisão foi serena e corajosa.
“O Presidente Rodrigo Maia, ex-líder do PFL na Câmara, assume a Presidência trazendo um significado emblemático para este momento”, disse.

Com o Prefeito Cesar Maia

Arolde de Oliveira explicou que o novo presidente reúne a preservação das conquistas do antigo PFL, a identificação do partido com o momento político nacional e a esperança de chegar ao poder num futuro próximo.
O PFL resultou da dissolvição do PDS com o objetivo de viabilizar a chegada de Tancredo Neves à Presidência da República, em 1985.
“O partido foi criado para a formação da Aliança Democrática que elegeu Tancredo Neves e José Sarney. Na verdade,22 anos depois de sua fundação, o PFL encerrou um ciclo político com relevantes serviços ao país”, acrescentou.
A refundação do Democratas incluiu novos estatutos e programas e a substituição de sua direção por uma nova geração de líderes políticos.


Com o Secretário João Marcos Cavalcanti e o Procurador Júlio Horta

terça-feira, 27 de março de 2007

O Secretário Municipal de Transportes, Arolde de Oliveira, concedeu entrevista à Rádio CBN

O Secretário Municipal de Transportes, Arolde de Oliveira, concedeu entrevista ontem (26) ao repórter Sidney Resende, da Rádio CBN. Arolde falou sobre auditoria nas linhas de ônibus para a correção autorizada pelo prefeito sobre o ajuste nas tarifas com ar condicionado e a intensificação dos ônibus na Zona Oeste. Arolde falou também da cooperativa de táxis criada para cadeirantes que vai funcionar a partir da semana que vem com o mesmo padrão do amarelinho e a mesma tarifa dos táxis comuns. Os novos táxis poderão levar o deficiente na própria cadeira com espaço especial com 1 acompanhante. Em relação aos jogos PanAmericanos , o secretário falou ,da preparação de corredores exclusivos para atletas, dirigentes e atletas.

segunda-feira, 26 de março de 2007

Arolde representa Prefeito nas comemorações dos 450 anos do primeiro culto evangélico


O Deputado federal Arolde de Oliveira representou o Prefeito do Rio nas comemorações do primeiro culto evangélico realizado no Brasil, na Catedral Presbiteriana, sábado, 24.


Ao lado do Vice-Presidente José Alencar


O Presbitério do Rio de Janeiro e a Igreja Presbiteriana do Brasil inauguraram sábado (24/3) o monumento comemorativo aos 450 anos do primeiro culto evangélico realizado no Rio durante a Invasão Francesa, em 1557. Os franceses que vieram com Nicolau Villegagnon eram protestantes.

Nas comemorações pelos 450 anos do primeiro culto

O Deputado Federal Arolde de Oliveira, representante do Prefeito Cesar Maia, participou da programação que incluiu também um culto na Escola Naval, na Ilha de Villegagnon, o lançamento de uma Bíblia e um selo comemorativo.
A escultura dos pastores Guilhaume Chartier e Pierre Richier, feita pelo artista plástico Joás Pereira Passos, fica na Catedral Presbiteriana, Rua Silva Jardim, Centro do Rio, e foi doada pela Petrobrás.
Entre os presentes, o Vice-Presidente José Alencar e o Senador Marcelo Crivella.

sexta-feira, 23 de março de 2007

Arolde de Oliveira debate trânsito amanhã na TV

Arolde de Oliveira, Secretário de Transportes do Rio, participou quarta-feira, 21, do debate "O trânsito nos centros urbanos", tema do “Diálogo Brasil”, transmitido pela TV Cultura, NBR (canal a cabo) e TV Nacional (as duas últimas reprisam o programa amanhã, sábado, às 22h).


Com apresentação do jornalista Florestan Fernandes Jr, o “Diálogo Brasil” também é visto no Japão e na América do Sul, através da TV Brasil Internacional.







*Alerta sobre o novo golpe*

Informamos aos cidadãos a existência de um golpe que está sendo aplicado por meio de falsos boletos bancários referentes às multas detrânsito. Segundo relatos, os criminosos fotografam veículos que estão trafegando em uma determinada via. De posse do número da placa, das imagens e do endereço do motorista, os criminosos falsificam boletos de pagamento de multa e os enviam ao usuário. Nesse suposto boleto constam número de uma conta bancária na qual deve ser efetuado o depósito do pagamento. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) recomenda aos usuários que ao receberem o documento referente à multa acessem o site do respectivo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e consultem, por meio do número da placa do veículo, se há de fato algum registro de infração. Para saber o site do Detran do seu estado acesse:http://www.denatran.gov.br/detran.htm

quinta-feira, 22 de março de 2007

Táxis: vistoria já hoje

Prefeitura libera calendário. Para vans, serão duas inspeções


A Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) inicia hoje vistoria nos 29.823 táxis da cidade. De acordo com o final da placa, o motorista deverá comparecer de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 17h, ao Posto do Detran-RJ, no Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, com a documentação. É preciso pagar taxa de R$ 43,83.
Os 6.160 veículos de transporte alternativo terão que passar por duas vistorias. Para vans, Kombis e ônibus, o serviço será na Estrada do Guerenguê 1.630, Curicica, Jacarepaguá.Táxis com finais 01, 11, 21, 31 e 41 fazem vistoria até 13 de abril. Conforme calendário da SMTR, as inspeções prosseguem, sempre de acordo com os finais de placa, até 28 de dezembro.
O motorista deve apresentar Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), multas e taxas pagas, carteira de habilitação, cartão de permissionário, laudo de vistoria do ano passado do Detran-RJ e pagamento do Documento de Arrecadação Municipal (Darm) de R$ 43,83.
GUIA PELA INTERNET
A guia — pagável em qualquer banco até o vencimento — pode ser retirada na Internet, em www.rio.rj.gov.br/smtr. Não é necessário agendar previamente a vistoria. Quem estiver com o cartão de permissionário danificado pode requisitar novo documento na hora, pagando taxa de R$ 15.
O calendário de inspeção anual da SMTR começa hoje também para os ônibus convencionais e especiais (7.749 ônibus), para os de final 1; os do transporte complementar (303 Kombis cabritinhos e 5.857 vans), e os de frete (1.533 vans). No total, a secretaria fiscalizará a segurança de 46.184 veículos.


Fonte: O Dia Online

quarta-feira, 21 de março de 2007

Comissão da Alerj realiza audiência sobre ônibus na Avenida Rio Branco

A Comissão de Transportes da Alerj (Assembléia Legislativa do Rio deJaneiro) realizou nesta terça-feira uma audiência pública para discutir a possibilidade de retirar de circulação os ônibus na Avenida Rio Branco, no Centro do Rio. O objetivo, de acordo com o presidente da Comissão, deputado Marcelo Simão , é buscar meios de melhorar a qualidade dos transportes e beneficiar os pedestres que passam pela avenida. A audiência contou com a participação de Arolde de Oliveira, Secretário Municipal de Transportes; Paulo Cezar Martins, Coordenador do Programa de Engenharia de Transportes da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia da UFRJ (Coppe); Paulo Melo, Deputado Estadual; Sula, Deputada Estadual e Vice-Presidente da Comissão de Transportes; Luiz Veloso , Chefe de Gabinete do Secretário Estadual de Transportes; de representantes dos sindicatos das empresas de ônibus, da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) e do DETRO.


No seu depoimento, Arolde ressaltou a importância da vontade não só técnica como política que envolve a mudança. Disse que a Prefeitura não é poder concedente e sim cedente. A mobilidade da população é uma preocupação constante da Secretaria Municipal de Transportes que em sua gestão, desenvolveu projetos como o TRANSPAN e o Corredor T-5, que vai ligar o bairro da Penha à Barra da Tijuca e aimplantação de sucesso das integrações ônibus-metrô e ônibus-trem, assim como o Plano Diretor de transportes foi concluído pela Secretaria. Para finalizar, Arolde disse que a Av. Rio Branco , desde que foi aberta, tornou-se a principal artéria do trânsito e que fica difícil uma alternativa para tirar os ônibus do Centro, que é na verdade, o transporte de massa da população.


Fotos: Fabiano Veneza / ALERJ







quinta-feira, 15 de março de 2007

Leia a entrevista do deputado Arolde de Oliveira para a Revista Enfoque Gospel de Março

Arolde de Oliveira: Empreendedor nas Telecomunicações e na Política

Foi no dia 11 de março de 1937, no Terceiro Distrito de São Luiz Gonzaga das Missões, interior do Rio Grande do Sul, que nascia o primeiro filho de Horácio e Margarida Gonçalves de Oliveira. Arolde foi o nome escolhido. O menino, que teve mais quatro irmãos, foi criado no campo, conheceu o trabalho na lavoura e na enxada. Mas, acima de tudo, recebeu do pai a lição mais importante: o valor do estudo.

E foi para alcançar uma melhor formação escolar que, aos oito anos, Arolde mudou-se para a cidade, a 30 quilômetros de sua casa natal. Sofreu com a separação da mãe, mas ganhou em aprendizado. Naquele tempo, já era um empreendedor. Para obter seu próprio sustento, começou engraxando sapatos e ainda organizou uma mini cooperativa para venda de ovos pela vizinhança.

Arolde crescia e com ele a sua dedicação ao conhecimento e a convicção de que não seria expectador ou coadjuvante na vida, mas protagonista de grandes decisões. O ingresso na Escola Preparatória de Cadetes do Exército aos 15 anos foi uma delas, e que o levou a uma bem sucedida carreira militar. Cursou a Academia Militar das Agulhas Negras na área de Engenharia e Comunicações, e no Instituto Militar de Engenharia diplomou-se em Engenharia Eletrônica, além de cursar a Escola Superior de Guerra.

Aquele gaúcho, sempre instruído pelo pai a buscar o melhor do binômio: trabalho e estudo, tornou-se Arolde de Oliveira, capacitado no que fazia e decidia e especializado em Telecomunicações. Durante seis anos, dedicou-se ainda mais a formação acadêmica e cursou Economia na antiga Faculdade de Ciências Políticas e Econômicas do Rio de Janeiro, fez mestrado em Matemática Moderna, pós-graduação em Mecânica Quântica e ainda formou-se em Engenharia Econômica.
Em 1967, pediu demissão da carreira militar, pois já vislumbrava outros projetos agora na área executiva, como profissional de telecomunicações. Já havia cumprido sua missão e conquistado importantes relacionamentos. Sendo assim, foi convidado a atuar na Embratel como diretor de desenvolvimento. Sua competência o levou a ser vice-presidente da Telerj, Diretor do Departamento Nacional de Telecomunicações, Governador da Organização Internacional de Telecomunicações por Satélite - INTELSAT e Chefe do Escritório Permanente da Embratel em Washington - DC (USA).

Visionário a favor do Brasil, Arolde de Oliveira escolheu a carreira política como condutora dos alvos que possuía para fazer o país crescer, principalmente no setor de telecomunicações. Hoje em seu sétimo mandato como deputado federal (desde 1983), ele fala com orgulho de suas conquistas e de sua atuação na Assembléia Nacional Constituinte. Integra também o grupo de fundadores do Partido da Frente Liberal (PFL).E, atualmente, atuando como secretário municipal de transportes do Rio de Janeiro, pensa grande e sinaliza suas metas.

O casamento com Yvelise de Oliveira já dura 46 anos, quase 50, o que demonstra que mais uma decisão e projeto pessoal deu certo. Sua parceria com aquela que hoje preside o Grupo MK de Comunicações é também reflexo do companheirismo que conjuga sentimento e visão de futuro.

A conversão veio em 1981, o que mudou a vida do parlamentar, executivo importante, redefinindo hábitos, potencializando a fé em Jesus que faltava.

Esse homem que é mais que um político, um empresário, um profissional de alto nível, um chefe de família, um seguidor de Deus, reconhece que fez bom uso de todas as boas oportunidades que a vida lhe deu. Conservou a simplicidade, a simpatia, os bons relacionamentos. Fez questão de manter a ética e competência, sem inimigos. E aonde quer que atue, tem sempre sua mente a frente de seu próprio tempo, que para ele também continua cheio de possibilidades, como no dia em que seu pai o orientou: trabalhe e estude. Assim tem sido a vida do menino Arolde, filho de Seu Horácio e Dona Margarida.






Nascido no Rio Grande do Sul, como foi sua infância?

Minha infância foi no campo. Naquele tempo, em meados do século passado, as pessoas iam buscar o sustento na agricultura e na pecuária, mas sem tecnologia para intensificar a produção. Fui uma criança criada livremente, tinha uma vida de artesanato, até na fabricação de brinquedos, de doces. Tudo vinha do que a terra dava, do que a gente plantava. Enfim, era uma vida caseira e natural. Fui um menino pobre. Meus avós tinham terras, mas não tinham recursos. Porém, nunca passei fome. Fui feliz e ainda tive um pai determinado a ver seus filhos estudando para que saíssem daquela situação. Eu aprendi a ler a luz de velas, fabricadas em casa. E meu pai sempre nos incentivou a estudar e trabalhar.

Depois de mudar para a cidade a fim de estudar, como se adaptou?

Eu me dei muito bem na cidade. Fazia meu curso e trabalhava. Fui engraxate, vendedor de legumes. Montei uma oficina e virava a noite engraxando sapatos de caixeiros viajantes. Eu era o menino pobre mais rico da cidade. Tinha sempre um dinheiro para ir ao cinema, para tomar sorvete, comprar revista em quadrinhos. Depois, montei um negócio no campo - eu tinha uns 11 anos - junto com alguns companheiros, filhos dos peões da roça. Coletava ovos e vendia por encomenda na cidade, indo apenas entregar e faturar. Eu sempre dava meu jeito de sobreviver.

O senhor pode dizer que tinha uma visão comercial?

Não diria isso. Eu trabalhava dura e pesadamente. Trabalho e estudo eram duas alternativas que poderiam melhorar a minha vida. E eu buscava isso. Depois fui para Porto Alegre, estudei no Colégio Salesianos e fiz vestibular para a Escola Preparatória de Cadetes do Exército, onde tive muitas dificuldades no início. Mas um major, professor de química, percebeu que eu acabaria sendo desligado e investiu em mim. Durante 15 dias, ele me ensinou a interpretar textos, organizar a mente para apresentar soluções, usar uma nova metodologia. E eu acabei aprendendo mais ainda com aquele professor que foi um anjo em minha vida. A partir daí, nunca mais deixei de ser primeiro e segundo aluno em todos os cursos.

E por que escolheu a carreira militar?

Naquele tempo, os jovens tinham duas opções. Ou ingressavam na escola militar ou faziam concurso para o Banco do Brasil. Eu precisava ajudar meu pai com relação as despesas, já que tinha os outros irmãos que estavam crescendo e vindo também para a cidade. Estudar sem custo era importante para nossa família. Mas eu também sempre fui muito disciplinado, sempre gostei da vida com hierarquia. Logo, a vida militar foi muito bem vinda.

Como foi a sua trajetória nessa área?

Depois da Escola Preparatória de Cadetes, fui para Academia Militar das Agulhas Negras e cursei Engenharia. Saí oficial, passei um período em Itajubá, no sul de Minas Gerais, já casado e voltei para o Rio de Janeiro como tenente. Por volta de 1964, passei seis anos seguintes focado exclusivamente na minha formação acadêmica. Fiz Engenharia Eletrônica no Instituto Militar de Engenharia, mestrado em Matemática, pós-graduação em Mecânica Quântica, Engenharia Econômica e Ciências Econômicas. Tive uma carreira militar bastante intensa. Fiz ótimos relacionamentos, tinha suporte de meus superiores e, ainda com menos de 30 anos, acabei percebendo que estava assumindo competências até acima de minha patente. Foi quando um coronel amigo fez uma avaliação comigo e vimos que o melhor caminho era pedir demissão do Exército para cumprir livremente, sem hierarquias, as habilidades que eu tinha condições de fazer, principalmente em telecomunicações. Fui, então, convidado para trabalhar na Embratel.

Assim, começou sua nova fase como executivo?

Sim. Na Embratel, comecei minha carreira profissional em telecomunicações. Com o conhecimento que possuía, tive a oportunidade de rapidamente assumir funções de chefia em empresas grandes. Como diretor da Embratel na área de engenharia, eu decidia aonde, o que, como e que tecnologia adotar. Trabalhei também como vice-Presidente da Telerj, Diretor do Departamento Nacional de Telecomunicações, Governador da Organização Internacional de Telecomunicações por Satélite - INTELSAT e Chefe do Escritório Permanente da Embratel nos Estados Unidos. Fiz mais cursos profissionalizantes no Japão, Estados Unidos e Europa.

Mas, a partir dos anos 80, conclui que nosso modelo para o setor de telecomunicações já estava esgotado, ultrapassado. Antes disso, o sistema implementado pelo governo militar era considerado um dos mais modernos do mundo. Estávamos na frente da França e de vários outros países. Como o Fundo Nacional de Telecomunicações foi extinto praticamente no último governo militar, com o presidente Figueiredo, o setor perdeu seu desenvolvimento. Portanto, para mim, já era hora de acontecer uma privatização. Foi quando fiz outra grande decisão em minha vida: sair da área de telecomunicações e migrar para a política, onde eu poderia ajudar o país a melhorar aquela situação.

Começa, então, sua terceira carreira, agora como político.

Exatamente. Quando concorri a deputado federal em 1982, o foco era privatizar os setores de telecomunicações. Quando eu trabalhava nos Estados Unidos, tinha muito contato com brasilianistas, pessoas que fazem estudos sobre o Brasil e eu também os ajudava com informações. Eles concluíram que o Brasil, no início dos anos 80, iria iniciar um processo de abertura política. Assim, decidi me candidatar e ajudar também nesse novo processo. Em 1983, assumi meu primeiro mandato.

Como foi sua atuação na Assembléia Nacional Constituinte, em 1988?

Na Constituinte, trabalhei como presidente de uma das sub-comissões mais importantes que foi a de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática e Minorias. Além de todos os estudos que fizemos naquele momento político, foi preciso definir conceitos e preceitos nessas áreas. Lamentavelmente, o movimento de esquerda prevaleceu e fomos derrotados no sentido da privatização.

Que ações foram feitas até que acontecesse a mudança no setor de telecomunicações?

Depois de 1988, houve uma previsão de que uma revisão constitucional fosse feita em 1993. Mas tivemos vários episódios desfavoráveis, como o impeachment do presidente Collor, e a revisão não aconteceu. Mais tarde, com o sucesso do plano econômico de Fernando Henrique, quando introduziu o plano real, ele acabou se tornando Presidente da República, e reunimos alguns partidos a fim de fazer um projeto chamado "Mãos à Obra", um programa que Fernando Henrique adotou e que possibilitaria fazer todas as modificações na Constituição que não tinham sido feitas.

Então, em 1994, iniciamos a quebra de monopólios de telecomunicações, de energia elétrica e demos abertura para a privatização. Nessa área, tive um desempenho bastante participativo e fico feliz quando vejo hoje que o Brasil tem cem milhões de telefones celulares, é um dos países com maior desenvolvimento em telefonia celular. Isso significa popularização do acesso a informação através da comunicação, o que por meio das empresas públicas jamais aconteceria.

Como homem visionário, o senhor sempre esteve a frente de seu tempo, antevendo desafios e até soluções. Tanto como político, como empresário, e como cristão, em que acha que mais contribuiu?

Acho que minha grande contribuição foi como profissional no setor de telecomunicações, onde pude levar facilidade a lugares onde não existia nada, como foi o caso da Amazônia. Fiquei lá por quatro anos, com toda família, de onde gerenciava toda Amazônia, implantando sistemas de difusão, levando telecomunicação para as vinte principais cidades. Cinco anos depois, tive o privilégio de levar as estações de satélites para as mesmas cidades. Eu era especializado na área de comunicação com satélites e até, por essa razão, fui depois para a Intelsat. Creio que de 1967 a 1979 foi o período de minha vida em que mais contribui em telecomunicações.

No mesmo nível, eu menciono minha participação no sentido da privatização do setor das telecomunicação. Acho que isso foi um grande benefício para nosso país. Antes, uma pessoa pagava até 5 mil dólares para ter um telefone, era uma espécie de patrimônio. Hoje, uma família tem vários telefones fixos e móveis. Contribuir com esse avanço já valeu a minha vida. Em tudo o que fiz, sempre tive uma grande preocupação: retornar a nação, ao país, tudo o que recebi do próprio país porque toda minha educação foi praticamente custeada pelos cofres públicos. Fui bancado nos estudos pelo governo e pelo imposto dos brasileiros. Então, sempre desejei dar retorno disso.


Acredita que a Reforma da Segurança Pública vai acontecer em breve e de forma eficaz, assim como uma Reforma Política?

Creio que temos que fazer uma reforma em nossos códigos processuais, principalmente no código criminal. Temos leis muito benevolentes, que dão muitas vantagens para quem comete o crime. A Reforma Política é importantíssima porque na medida em que você a concretiza, melhora o nível de representatividade, fortalece o poder legislativo, que passa a ter mais condições de fazer boas leis e coibir o crime. Sabemos por meio de uma pesquisa feita pela Prefeitura do Rio, que em 95% dos países do mundo, a imputabilidade criminal começa aos oito anos de idade, outros aos 10 e outros aos 14 anos. Somente aqui no Brasil temos essa mentalidade de que somente após os 18 anos, uma pessoa se torna responsável por seus delitos. É óbvio que precisamos de uma revisão geral em vários códigos, mas não estou bem certo de que o Governo Lula tenha essa vontade política, pois foi justamente o partido do presidente Lula que lá na Constituinte prejudicou tremendamente a classificação de certos crimes. Sequestro, por exemplo, não foi classificado como crime hediondo. Hoje, acho que nós, como oposição, temos que fazer o maior esforço possível para mudar essa legislação e a tornar mais atual e mais rígida .

O que pensa sobre a justiça ecológica? Como governante e engenheiro vê soluções para as perspectivas trágicas do aquecimento global?

É notório que estamos vivendo uma fase de desequilíbrio climatológico, pluviométrico. Já tivemos no passado a identificação da destruição da camada de ozônio e sentimos hoje as consequências. Mas essas sequelas acontecem lentamente ao longo de um processo, de um período. As pessoas têm a tendência de não se preocupar porque os efeitos podem chegar quando já terão morrido. Como a maioria não pensa a longo prazo, os problemas se agravam. Ainda mais quando existe também a pressão econômica que faz o homem explorar a natureza até de uma forma anárquica. É preciso que haja um entendimento internacional, um fortalecimento de justiça ecológica e até a criação de um órgão que venha julgar crimes ecológicos. Por enquanto, as leis são ainda muito imaturas. No entanto, com tudo o que está acontecendo, os principais crimes ecológicos vão ser identificados e regulamentados dentro de cada país, com certeza.

Como atual Secretário de Transportes do município do Rio de Janeiro, que soluções acha viáveis para racionalização e melhoria dos serviços de transporte urbano, logística de trânsito e tecnologias?

No transporte urbano, temos que dar um foco moderno. Oferecer um transporte que seja barato, tenha conforto, rapidez de deslocamento e segurança são fatores básicos para os passageiros. Acredito que estamos vivendo hoje uma transição entre os serviços de transportes de massa, como o metrô, o trem urbano, passando para um novo tipo de transporte, chamado BRT (Bus Rapid Transit), o metrô sobre rodas. Ao invés de ser um metrô via trilho, em que é preciso fazer buraco e que custa dez vezes mais para implantar, será um metrô de superfície, que usa uma faixa seletiva. Centenas de cidades no mundo já usam esse sistema.

Estamos trabalhando com dois projetos muito interessantes. Um é de integração das estações do metrô com o sistema normal de ônibus. Agora vamos integrar e substituir pelo sistema BRT. Outro projeto é uma ligação da Penha para Madureira, Jacarepaguá e Barra da Tijuca que já está pronto e vamos fazer a licitação nesse mês, também via BRT. Na área de trânsito, estamos utilizando tecnologia de informação com sistema digitais, sistemas inteligentes, com uma programação de controle por câmeras em toda a cidade. O sistema que já existe será intensificado com maior controle semafórico e estabelecimento de registro de infrações. Estamos aprimorando tudo no sentido de reduzir acidentes.

A pergunta de todo motorista: nesse clima de violência, será obrigatório ficar parado em sinal vermelho tarde da noite?

Nesse caso, vamos fazer o seguinte. Uma autoridade não pode autorizar alguém a avançar o sinal. O que eu posso fazer é no período de 22h até as 6h da manhã desligar os equipamentos de infração. Se a pessoa avançar o sinal, a responsabilidade de acidente será dela.

Com o problema de congestionamento de trânsito no Rio de Janeiro, o senhor é a favor do rodízio, como acontece em São Paulo?

Temos na cidade sete mil ônibus, cerca de seis mil vans regulamentadas, 30 mil táxis e mais 1.800.000 automóveis. Logo, todos são responsáveis pelo caos no trânsito. Os pontos de ônibus têm um efeito forte, já que interferem nos momentos de embarque e desembarque. Existe um detalhe importante, na hora de maior congestionamento na cidade do Rio de Janeiro, apenas a metade da frota de veículos da cidade está na rua, a outra metade está em repouso em garagens ou estacionamentos. Então, não adianta aumentar a quantidade de vias porque essa frota que está em repouso vem para rua e vai congestionar de novo. O que causa congestionamento é que temos um número limitado de espaço público, de vias públicas, um espaço limitado para escoamento do tráfego e que não pode ser aumentado. Não se pode mandar destruir e desapropriar tudo para construir mais vias.

Eu, particularmente, não aprecio o rodízio porque acho que é uma violência contra o direito, contra a liberdade de ir e vir do cidadão. Se compro um veículo e vou emplacar e esse emplacamento não é minha opção, é opção do Estado. Creio que isso não é uma solução. Acho que o melhor é oferecer melhores alternativas de transporte público, como o BRT, para que mais carros fiquem em casa porque as pessoas vão escolher que isso será o melhor para elas.

O senhor está no seu sétimo mandato como deputado federal e sempre demonstrou seriedade e transparência no propósito de defender valores como a família, a ética na política e a moral pública. O que mais marca a sua legislatura?

Minha legislatura sempre foi muito marcada na área de atuação do meu conhecimento profissional que é na área tecnologia. Como sou economista, também ajudo na área de ciências econômicas, na comissão de economia e tributação. Sempre trabalhei dentro das comissões, na preparação dos textos legais, como relator, dando sugestões. É muito bom trabalhar nas comissões, onde você tem uma interação maior com todos os partidos, com os representantes. Quando a lei sai dali, ela vai direto para o plenário. Nunca dei prioridade a tribuna, ao microfone, ao blá-blá-bla porque aquilo não constrói. Discurso de parlamentar não muda voto e comportamento de ninguém. É a ação dele nas comissões que influencia, nas discussões internas partidárias. Ou seja, minha participação sempre foi muito operacional dentro das comissões técnicas e não no plenário.

Olhando para a sua caminhada, viu os evangélicos melhorarem sua visão da política, ou ainda permanece o clientelismo na relação?

Houve uma grande evolução nesse aspecto político no comportamento do evangélico como eleitor nesses últimos 24 anos. Quando comecei como deputado federal, não se falava de política nas igrejas. Aliás, os pastores nem tocavam nesse assunto. Havia um grande bloqueio por parte das lideranças e nem existia uma participação muito grande de candidatos evangélicos no Parlamento. Nos meus primeiros mandatos, tinham apenas dois ou três evangélicos na Câmara, como o Daso Coimbra.

Com o passar do tempo, a liderança evangélica foi se afastando do comportamento mais conservador, pois não aceitavam essa intromissão da política na igreja. Depois, líderes foram surgindo que haviam passado por escolas de formação intelectual e tinham um conhecimento de coisas importantes, o que foi afrouxando esse conservadorismo da igreja em relação a política. Hoje, chegamos ao ponto de denominações se transformarem em verdadeiros partidos políticos, onde candidatos são indicados e bancadas evangélicas são criadas.

Ora, na realidade, a religião não pode ser distintivo de uma bancada. Bancada é algo que se aplica a um partido político. Bancadas são compostas por políticos que possuem uma filosofia, têm programas políticos, que estão filiados àqueles partidos. Não se pode chamar uma bancada de evangélica porque a igreja não é partido político. E quando um parlamentar que é evangélico comete um ato ilícito, todos os evangélicos são enxovalhados. Durante esse anos, vi irmãos em Cristo, com suas convicções declaradas, naufragarem em lamaçais que nenhum crente ou político poderia colocar o pé. Isso porque houve uma politização irracional da igreja, que vejo associada ao mercantilismo religioso. E quando se pratica esse mercantilismo, está pressuposto compra e venda de material ou de bênçãos, ou de prestígio. Então, ocorreu uma politização torta no imenso segmento que é nossa igreja.

O senhor tem um casamento que já dura 46 anos. Fale sobre sua relação com Yvelise de Oliveira e que fatores foram mais fundamentais para que vocês continuassem juntos até hoje.

Posso afirmar que o mais fundamental foi uma forte consciência de família, de unidade familiar, tanto da parte da Yvelise, como da minha parte. Mas isso não bastaria se nós não nos amassemos e, principalmente, se não fossemos tão diferentes como somos. Sendo assim, não temos um dia igual ao outro e as coisas também não ficam monótonas. Eu costumo dizer que as pessoas muito iguais não se complementam. Sempre tivemos o entendimento da complementabilidade. Há coisas que eu tenho que fazer e há coisas que só ela pode fazer. Sempre foi assim. Mesmo na empresa, na MK, ela tem as funções que só ela sabe e pode fazer e eu tenho as minhas.

E muitas vezes, acontecem tantos assuntos que desunem, como estar fora em Brasília por tantos dias na semana. Mas há sempre a busca do entendimento. E eu dou a Yvelise 2/3 da responsabilidade pela nossa permanência como casados por 46 anos. Eu agradeço a Deus pela vida e amor dela, pois sei que não é fácil viver junto por tanto tempo. Mas estamos aqui e que venham mais anos juntos.


Como cristão, o que mais o restaura e fortifica para seguir firme e correto em todas as suas atribuições?

Tenho alguns princípios que me foram passados por meus pais dentro da sua formação moral e que depois foram fortalecidos pelas minhas convicções religiosas. Quando me converti, eu já tinha 40 anos, tinha vivido muito, mas foi quando encontrei um certo equilíbrio, uma paz que me faltava, uma segurança maior e um fortalecimento de todos os meus princípios. Eu comecei bem lá de baixo, com a mão na enxada. Mas depois de uma certa fase na vida, tive o privilégio de ter uma vida mais abastada, mais confortável. Quando se tem uma boa formação moral, as oportunidades de errar, as tentações são enfraquecidas, você não é tão vulnerável. Creio que tudo isso fez diferença na minha vida em todas as áreas.

E como foi sua conversão?

Foi quando estava cursando a Escola Superior de Guerra, em 1981. Conheci dois pastores batistas que me influenciaram: Nilson Fanini e Irland Azevedo. Yvelise e minha sogra já estavam frequentando a Igreja Nova Vida, em Botafogo. Ás vezes, eu ia lá e achava uma coisa importante para mim. Fiquei muito amigo do Irland, um homem culto, com quem conversava sobre tudo, sobre valores e necessidades humanas etc. Eu sempre tive muito respeito por pastor, achava que eram quase santos e me distanciava. Também fiquei muito amigo de Fanini, um excelente orador, homem convicto e passei a frequentar sua igreja, a Primeira Igreja Batista de Niterói. Minha conversão não aconteceu como um choque, ela seguiu um canal consciente e chegou forte e me transformando.

Yvelise queria se batizar, eu não. Estava com um projeto político e não queria que as pessoas pudessem, por qualquer motivo, imaginar que eu estava tirando alguma vantagem. Eu tinha essa preocupação. Meu batismo foi no final de 1982 e o interessante foi que eu mudei muito. Eu fumava, bebia, gostava muito de whisky. Parei tudo sem sentir a menor necessidade. Passei a participar mais da igreja, ajudei em alguns setores. Yvelise trabalhou no Reencontro e fomos focando nossa vida no que poderia ajudar no Reino de Deus. Hoje, estamos em uma igreja no Recreio e Deus está conosco.

Nesse mês, o senhor comemora mais um ano de vida. O que gostaria de compartilhar de mais alegre e de mais triste nesses anos de participação política, empresarial, cristã e familiar?

Faço 70 ano. Sempre faço uma reavaliação de vida e me pergunto quais foram os meus grandes fracassos etc. Mas eu não vejo fracasso na minha vida. Tive momentos em que eu não compreendi certos acontecimentos, mas a explicação aconteceu mais tarde. Posso dizer que até as coisas que foram desagradáveis para mim, tiveram uma explicação em seguida ou foram uma preparação para um fato, seja espiritual, seja material, seja intelectual, seja o que for. Um fato que realmente me deixou inquieto e que a gente nunca esquece foi que perdi um filho. Essa foi a coisa mais incompreensível pela qual passei. Essa é uma dor que fica e que marca porque é a dor da saudade. Minha maior tristeza. Mas me considero uma pessoa vencedora. É claro que todas as minhas propostas sempre foram dentro daquilo que julguei razoável.

Tive uma vida muito intensa, sem rupturas maiores. Obviamente, vou continuar convivendo com incompreensões de terceiros, com invejas, com uma série de coisas da vida. É fato que sempre tivemos a possibilidade, enquanto família, enquanto empresário, enquanto político, de ajudar terceiros porque não basta ter certas qualidades, como inteligência, saúde etc. Sempre existe algo que pode impedir que você prossiga e, ás vezes, para suplantar essa dificuldade, aparece um anjo que Deus coloca na sua vida, de alguma forma, e te ajuda . É a palavra de um amigo, ou mesmo de um desconhecido. Considero que são milagres que Deus faz na vida da gente. E eu sou grato a Deus por tudo o que vivi, ajudei e fui altamente abençoado.

quarta-feira, 7 de março de 2007

Normas para motos na Linha Vermelha serão reexaminadas

O Secretário Municipal de transportes, Arolde de Oliveira, informou nesta terça-feira que, a pedido do prefeito Cesar Maia e da Associação dos Motociclistas do Estado do Rio (AMO-RJ) vai reexaminar a obrigatoriedade de motocicletas trafegarem somente pela pista da direita da Linha Vermelha, cuja operação passou para o controle do município.

O pedido do fim da obrigatoriedade foi feita pelo presidente da AMO-RJ, Aloísio Braz, devido aos vários acidentes que ocorreram na Linha Vermelha, deixando motociclistas como vítimas, devido à falta de sinalização indicando a faixa preferencial para motociclistas.

-Eu mesmo socorri duas vítimas, na altura de Caxias, no último Sábado - lembrou Braz.

Nesta segunda-feira, o prefeito Cesar Maia determinou ao Secretário de Transportes que examinasse o pedido da AMO-RJ.

Fonte: Jornal O Globo

Trânsito ganhará corredores

O secretário de Transportes, Julio Lopes, representantes de 20 municípios da Região Metropolitana, de operadoras de transportes e de empresas ligadas ao setor participaram ontem da primeira reunião da Agência Metropolitana de Transportes Urbanos (AMTU), no Centro Administrativo do Governo de Estado, no Centro do Rio. Na abertura da reunião, o secretário destacou a importância da criação dos corredores de ônibus para melhorar o transporte na Região Metropolitana. No encontro, a secretária de Serviços Públicos, Trânsito e Transportes de Niterói, Dayse Monassa, apresentou o projeto de criação de pontos de embarque e desembarque de ônibus no Fonseca, plano que o secretário quer viabilizar ainda este ano.
Entre outras informações, Dayse relatou, com auxílio de imagens projetadas por computador e gráficos, como seriam estruturados esses pontos. Júlio Lopes anunciou que pretende realizar, em parceria com a Secretaria Estadual de Obras, um trabalho conjunto com objetivo de abrir licitações e conhecer a empresa que poderia realizar o projeto, que prevê também a criação de corredores exclusivos para ônibus no Centro. O plano é uma alternativa para dar fluidez ao trânsito – principalmente no horário do rush – e melhorar as condições de quem procura a Ponte Rio-Niterói.
No encontro, foi apresentado também o projeto de criação do corredor T5, que prevê a circulação de ônibus no trecho de nove quilômetros entre a Barra da Tijuca e a Penha, no Rio. Uma das vantagens desse projeto é o custo – de R$ 650 milhões – mais baixo que os R$ 100 milhões por quilômetro que seriam necessários para se fazer os túneis para a passagem do metrô. Segundo o secretário Municipal de Transportes do Rio de Janeiro, Arolde de Oliveira, o conforto e a segurança estão entre as vantagens da implantação do corredor T-5.
"Os ônibus articulados têm capacidade elevada de passageiros, deslocam-se em alta velocidade, circulam numa faixa segregada e têm sistema GPS e câmeras, permitindo maior monitoramento dentro dos veículos", descreveu Oliveira.
O secretário Julio Lopes explicou que o governo do Estado está colaborando para que o corredor T5 seja executado no menor prazo, preço e da melhor forma possível. A instalação do corredor permitirá diminuir em 50 minutos o tempo de viagem entre a Barra da Tijuca e a Penha – que, atualmente, é de 96 minutos.
Fonte: O Fluminense - Sérgio Soares

terça-feira, 6 de março de 2007

Metrô sobre rodas da Barra à Penha




Metrô sobre rodas da Barra à Penha,
agenda da Agência Metropoliana de Transportes Urbanos

Foi realizada a primeira reunião de trabalho da Agência Metropolitana de Transportes Urbanos, na Alerj, com a participação de 30 executivos do setor, entre prefeitos, secretários, operadores dos sistemas de metrô, ônibus, barcas, Detro, Detran, Secretaria Estadual de Obras. A reunião foi presidida pelo Secretário Estadual de Transportes, Júlio Lopes.
Para o Secretário de Transportes da Cidade do Rio, Arolde de Oliveira, a reunião foi o muito proveitosa. “A pauta debateu dois corredores, as vias especiais para coletivos, o T5 e o da Alameda São Boventura, em Niterói”.
Coube ao Secretário Arolde de Oliveira falar sobre o T5, via expressa para ônibus articulados (ou metrô sobre rodas) que sairá da Barra da Tijuca, passará por Jacarepaguá, Madureira e chegará à Penha. A via expressa será construída através de uma PPP (parceria público-privada) cujo edital será divulgado brevemente.
Outro corredor apresentado foi o da Alameda São Boaventura, no Fonseca, projetado pela Prefeitura de Niterói, que acabará com o engarrafamento no local e na Ponte Rio–Niterói.
O Secretário de Transportes do Rio participou ainda do debate sobre o Plano de Desenvolvimento de Transporte Urbano para a região Metropolitana. Arolde explicou que no Plano Diretor de Transportes da Cidade do Rio estão os principais projetos de vias de transporte público, ali sugeridos.
Na oportunidade, o Secretário Arolde de Oliveira foi entrevistado pela TV Alerj.

Secretários discutem transporte e trânsito com Frente Parlamentar do Transporte Público

Está sendo realizada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Transporte Urbano e Trânsito com integrantes da Frente Parlamentar de Transporte Público.
O objetivo do encontro que termina amanhã, 7/3, é discutir a melhoria do transporte público nas cidades.
Caberá ao presidente do fórum, Oswaldo Lima Neto, entregar o documento com as propostas do setor aos parlamentares.

sexta-feira, 2 de março de 2007

O Secretário Municipal de Transportes, Arolde de Oliveira, foi entrevistado pelo programa "A Caminho do Pan", da TV espanhola ESPN


O Secretário Municipal de Transportes, Arolde de Oliveira, foi entrevistado pelo programa "A Caminho do Pan", da TV espanhola ESPN. Arolde falou sobre o esquema de trânsito e transportes para o PAN, do planejamento dos caminhos alternativos, da integração ônibus-metrô até a Barra da Tijuca e de outras integrações que serão criadas para o acesso da população até os locais de maior contração dos jogos , como a ligação DelCastilho (linha 2) até a Barra da Tijuca. O programa está previsto para ir ao ar na próxima sexta-feira, às 21 h.